Busca

 
 
A segunda causa de morte por lesões não intencionais no mundo, considerada um problema de saúde pública mundial, a queda é um dos principais problemas no dia a dia do idoso. Pensando nisso, a UCP, por meio do Núcleo de Atendimento ao Idoso, promoveu a palestra Questões relacionadas à saúde da pessoa idosa: Prevenção de Quedas, com a Profª. Marilia Winter Hughes Leon. O encontro aconteceu nesta sexta-feira (05.04), no Núcleo, que funciona no campus Dom Veloso. 

Dados apontam que aproximadamente 30% das pessoas com mais de 65 anos de idade caem pelo menos uma vez por ano. Depois dos 80 anos de idade, essa porcentagem pode chegar a 50%. No encontro desta sexta, os idosos receberam orientações para preservação de sua capacidade funcional, evitando assim a incapacidade e a dependência. Com a preservação da saúde, terão mobilidade, serão participativos e sociáveis.

“A queda é um “inimigo” comum entre os idosos. Ela pode ocorrer com uma mudança de posição inesperada, não intencional, levando o indivíduo a um nível inferior, ao solo ou sobre um objeto, comumente um mobiliário. Muitos são os fatores de risco que levam a queda da pessoa idosa”, comenta a Profª. Flávia Castellain, coordenadora do Núcleo de Atendimento ao Idoso da UCP.

Ela lista alguns dos fatores que podem causar a queda na pessoa da terceira idade. 

“Podem ser fatores ambientais, como má iluminação; pisos e degraus escorregadios; tapetes soltos; falta de segurança nos banheiros; falta de mobilidade e acessibilidade urbana; calçadas danificadas e desniveladas; e escadas com degraus estreitos. Assim como fatores biológicos, como doenças crônicas que diminuem a força muscular de membros inferiores; distúrbios da marcha; déficit de equilíbrio; déficit cognitivo, visual e/ou auditivos. E não ficam de fora os fatores comportamentais, como excesso de medicamentos; calçados inapropriados; e fatores socioeconômicos, como moradia inadequada e acesso limitado aos serviços de saúde e social”, explica Flávia.