Busca

 
 
O encontro desta terça-feira (26.03) no Expoentes da Literatura, promovido pelo curso de Letras da UCP, abordou as especificidades da escrita nas cartas de Machado de Assis, expondo um lado mais humano do autor. O evento realizado no auditório do campus BC teve a presença da professora Sandra de Brito Bezerra Zimbrão, titular da Secretaria de Educação do Governo do Estado, que lançou o livro O tom confessional e autobiográfico na epistolografia de Machado de Assis há um ano em Portugal e agora no Brasil.

Expoentes da Literatura fala das epistolografia de Machado de Assis

“Acho fundamental abordar esse assunto, primeiro porque os livros são muito ingratos com Machado e na verdade com todos os autores. Você vê um trecho pequeno de uma biografia e acabou. A gente acaba não conhecendo bem. Acho que um livro como esse, este tipo de assunto que aborda o autor além do que ele era como escritor, faz com que passamos a ver a figura humana, passamos a entender porque ele escrevia assim”, comenta a professora, que atualmente desenvolve pesquisas no âmbito da Análise do Discurso, da Pragmática, da Retórica, da Sociolinguística, da Epistolografia e das Literaturas em Língua Portuguesa, nomeadamente a obra e a biografia do escritor Machado de Assis.

Para Sandra, dessa forma o aluno e público em geral se aproximam mais do autor o que desperta e instiga um interesse maior na leitura.

“Acho que isso é fundamental, principalmente para aquele aluno que não lê, para ele se sentir mais identificado. Ele (Machado) deixa de ser aquela figura fria, o presidente da Academia Brasileira de Letras, e humaniza. Ele era filho de escravos, morou no Rio, no Morro do Livramento. Isso vai aproximando, torna mais possível a leitura, a compreensão e até a interpretação contextual. É fundamental esse tipo de palestra e abordagem para entendermos quem ele era”, frisa Sandra, parabenizando o evento como uma forma de valorizar a literatura.
“Acho que temos que resgatar esses nomes, trazer de volta o público para a leitura, para a livraria. Trazer esses grandes valores de volta, que estão sendo perdidos. Muito importante trazer hoje esse conhecimento de um autor brasileiro super reverenciado lá fora”, disse.