Busca

 
 
O professor da UCP, Rodrigo Grazinoli Garrido, levou sua expertise em Polícia Técnica para a Espanha, onde ministrará na segunda-feira (12.02) a palestra CSI a la brasileña: los profesionales y la actuación de la Policía Técnica en Brasil. O tema, que é sua área de atuação e pesquisa, na qual orienta alunos no Mestrado em Direito da UCP, já resultou em mais de cem apresentações de trabalhos e cursos ministrados por Garrido ao redor do Brasil e no exterior. O evento acontece no Centro de Estudios Brasileños, em Salamanca, onde o professor também participou nesta sexta-feira (09.02) do III Congreso de Derecho Ambiental Contemporáneo España/Brasil.


Professor Rodrigo Grazinoli Garrido participa de dois eventos em Salamanca, na Espanha
Na Universidade Católica de Petrópolis e também na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rodrigo ministra disciplinas relacionadas à produção de prova técnica (Medicina Legal e Criminalística) e atua ainda como Perito Criminal da Polícia Civil.

“A importância da polícia técnica é cada vez maior. A todo momento nos crimes mais comuns até nos grandes escândalos políticos, escutamos falar no trabalho de peritos e na produção de provas que sustentarão as condenações ou garantirão a liberdade dos réus. Dessa forma, o mundo inteiro reconhece essa atuação e o “efeito CSI” ainda é percebido. No Brasil, em virtude do número de crimes e, sobretudo, das operações atuais contra políticos e grandes empresários, a importância ainda é maior”, pontua o professor, que leva o nome da Universidade por onde passa com o know how sobre o tema.

“Penso que para a UCP, a importância está em dois níveis. Sempre é uma propaganda para as instituições ter seu nome vinculado internacionalmente. Mostra-se como um centro de produção de conhecimento, com professores pesquisadores de renome. Em um segundo plano, penso que os alunos da graduação e da pós-graduação se sentem confiantes ao saber que seus docentes têm esse reconhecimento. Certamente, meus alunos da graduação em Biomedicina, em Direito e do Mestrado em Direito se sentirão representados”, comenta.
“Tenho a alegria de recebê-los para conhecer nossa Instituição e iniciar os estudos em nível superior, de acordo com a carreira escolhida, talvez já sonhada há algum tempo e que hoje se torna realidade. Ao mesmo tempo quero dar parabéns por estarem chegando a Instituição e terão, hoje, a possibilidade de conhecer um pouco mais não só o campus onde vão estudar, mas a Universidade como um todo”. A declaração é do reitor da UCP, padre Pedro Paulo Carvalho Rosa ao dar, no primeiro dia de aula, as boas-vindas aos calouros que ingressam neste primeiro semestre de 2018.

Os novos alunos, dos campi BC e BA, tiveram nesta segunda-feira (05.02) um encontro exclusivo para os calouros, e foram recepcionados pelos coordenadores dos cursos e reitoria. Eles conheceram a estrutura da Universidade, como os laboratórios e salas, e um panorama da visão e missão da UCP e seu papel dentro da comunidade.

“É uma grande alegria de fato poder fazer parte desta instituição que se consolida cada vez mais em Petrópolis, cuja sua história se funde com a história da cidade, em nível de cultura e de formação no ensino superior. É uma Instituição tradicional. E pensando na tradição não como se fosse algo que ficou parado no tempo. Mas algo que recebemos e que passaremos adiante”, completou o reitor destacando também, aos ingressantes, a excelência do corpo docente da UCP como algo que os alunos devem extrair ao máximo na trajetória de aprendizado.

Reitoria recebe os novos alunos no primeiro dia de aula

“A formação acadêmica, com a titulação de mestrado e doutorado, faz uma grande diferença dentro do processo da qualidade de ensino. Alcançamos hoje 90% de mestres e doutores, com formação no Brasil e exterior, no nosso corpo docente. Isso dá um grau de vantagem no ensino da UCP e para nós é extremamente importante para oferecer o melhor ensino a vocês. Explorem essa possibilidade grande que está sendo oferecida a vocês”, frisou o padre Pedro Paulo.

A pró-reitora de graduação, Regina Máximo, também deu as boas-vindas aos calouros ressaltando a disponibilidade da Universidade com seus alunos.

“Nossa relação não é só hoje. É um relacionamento longo, de 4 ou 5 anos. Então é importante nos conhecermos, estabelecermos contato e que vocês conheçam a Instituição. Fazemos esse encontro e essa apresentação hoje, um dia em que a Universidade está totalmente à disposição de vocês. Para dar as boas-vindas, pois queremos que se sintam muito à vontade e ambientados não só em relação a nós, e também seus coordenadores, mas também com relação ao domínio do próprio espaço físico da Universidade”, disse.
Os novos alunos que começam essa nova etapa, com o ingresso no ensino superior, estão otimistas com o desafio na UCP. As calouras Maria Eduarda Medeiros e Sophia Mayworm, de 17 anos, e Andressa Antunes e Júlia Paixão, de 18 anos, gostaram de ter o primeiro dia voltado aos novos alunos.

“Expectativa grande de começar a faculdade. E ter esse dia só para os calouros é bem melhor para nos sentirmos mais à vontade. Chegamos aqui com aquela ideia na cabeça do trote. Assim, é bem diferente e mais fácil para conhecermos a Universidade melhor”, disseram as estudantes que escolheram a Universidade depois de conhecer a Instituição no UCP de Portas Abertas

View the embedded image gallery online at:
http://www.ucp.br/web/index.php/noticias-ucp#sigFreeId408c8a7e1e


O ano letivo está prestes a iniciar no próximo dia 6, mas os novos professores e o corpo docente da UCP já receberam as boas-vindas da reitoria durante a Semana de Integração Acadêmica 2018, que começou nesta quinta-feira (1º.02). Oficinas, uma missa celebrada pelo bispo Dom Gregório Paixão e uma confraternização marcaram o primeiro dia do evento, no campus Barão do Amazonas. A programação seguiu nesta sexta-feira (02.02) com diversas oficinas, além de reuniões nos centros acadêmicos no campus Benjamin Constant.

Os novos professores foram recebidos pela pró-reitora de graduação, Regina Máximo
Os novos professores foram recebidos pela pró-reitora de graduação, Regina Máximo

O grupo de novos professores que chega à Instituição foi recebido pela pró-reitora de graduação, Regina Máximo, e passou, durante toda a tarde, por capacitação. O dia também foi de conhecimento para os demais professores da Universidade que participaram de oficinas sobre temáticas diversas com objetivo de agregar e atualizar cada vez mais os docentes.

“A gente acredita que o nosso trabalho é formado por uma equipe. Temos que ser um todo. E para sermos um todo, temos que entender o que somos e o que queremos alcançar. Então nos reunimos sempre, no início do ano, para que possamos reforçar os laços acadêmicos em prol do ensino superior. Acho que é um momento em que renovamos essa relação”, disse a pró-reitora de graduação. 

Os professores participaram de oficinas sobre temáticas diversas
Os professores participaram de oficinas sobre temáticas diversas

Os novos professores que ingressam na Universidade estão otimistas com o desafio. É o caso do carioca Bernardo Frossard da Silva Rêgo que será docente no curso de Administração. Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com mestrado e doutorando na mesma instituição, ele está animado com o trabalho.

“Acredito ser uma oportunidade de trazer essa experiência de uma Universidade de ponta para uma Instituição também de excelência com um método mais participativo, que é o que trabalhamos no Mestrado da UFRJ e que será adotado no curso de Administração da UCP. Essa é minha primeira experiência como docente, e fico muito feliz por uma Instituição tradicional como a UCP abrir as portas”, disse.

Conquistas e projetos para 2018 são apresentados aos professores

Depois da capacitação, todos participaram de uma missa celebrada pelo bispo Dom Gregório Paixão e em seguida da confraternização no novo auditório do campus BA. Na ocasião, a reitoria apresentou as conquistas da UCP no ano de 2017 e os novos projetos para 2018, reafirmando a missão e visão da Universidade.

Ao fim das oficinas e missa, os professores e reitoria participaram da confraternização
Ao fim das oficinas e missa, os professores e reitoria participaram da confraternização

O reitor Padre Pedro Paulo Carvalho Rosa destacou pontos como as obras no campus BA, com a criação de novos espaços e laboratórios; sobre a qualificação dos cursos da Universidade, dos mestrados e doutorado, com reconhecimento de cinco cursos, sendo quatro com conceito 4; e também sobre a recredenciamento no MEC, realizado em dezembro, no qual a UCP obteve conceito 4. O reitor comemorou, também, a qualificação do corpo docente da UCP, que hoje é formado 90% de mestres e doutores.

“Ter um corpo docente que hoje chega a 90% de mestres e doutores influencia na qualidade do ensino que oferecemos. Hoje podemos nos orgulhar disso e da nossa Instituição ter sido avaliada com um bom conceito no MEC. Isso é resultado de uma presença, esforço e dedicação de toda a reitoria, diretores, coordenadores e professores. É um ganho muito grande que a nossa instituição tem. É a sintonia de toda universidade daquilo que experimentamos no dia a dia”, frisou o reitor. 

Para os professores, a Semana da Integração Acadêmica agrega um diferencial relevante na relação entre professores, reitoria e a própria Instituição. 

“Existe uma necessidade que a UCP persegue, vejo isso desde que comecei como professor aqui, que é passar as informações do caráter institucional. Ou seja, apresentar um resumo do relatório do ano anterior para que o corpo docente tenha a dimensão dos esforços que a reitoria tem feito para melhorar a qualidade e aperfeiçoar a questão institucional. Ao mesmo tempo essa questão da integração é fundamental na medida em que as pessoas passam a se conhecer”, comenta o professor de História, Maurício Ferreira Vicente Jr, que também é diretor do Museu Imperial. 

“Aquela natureza da universidade, a ideia da produção do conhecimento a partir da relação entre diferentes áreas de saber tem um “start” justamente no início do semestre. Nessa integração, no momento em que os professores de cursos diferentes se conhecem, discutem seus projetos e propostas para que essa noção de universidade realmente se faça presente”, completa o historiador que há 13 anos é docente da UCP. 

View the embedded image gallery online at:
http://www.ucp.br/web/index.php/noticias-ucp#sigFreeId58d3a0c599